quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

TYLER DURDEN - PIXEL CÂMERA AÇÃO



“Fist Rule - You do not talk about fight club”
Desculpe-me, mas terei que quebrar esta regra, pra falar de um dos melhores personagens da história do cinema, lembrando vocês que para não gerar muitas comparações, somente o filme será comentado neste post. 
“Sempre me perguntam se conheço Tyler Durden”
Se você responder que sim, saberá que ele não gostaria nada de ser resumido à um texto, mas só estou fazendo o meu trabalho e sim, eu gosto do meu trabalho. Anarquia ou Caos, estas seriam as  palavras pra resumirem, Tyler Durden.
 
“Vida em miniatura”
O filme nos mostra o personagem de Edward Norton, protagonista, porem sem nome, isso remete a falta de personalidade do personagem, que vive uma vida comum e pálida, tanto é que o Diretor David Fincher usa para apresentação desde, tons apáticos, sem vida, assim como as roupas que ele usa e a maquiagem com as forte olheiras alem da atuação de Norton que fazem de tudo para mostrar a desanimação do protagonista.
"Eu encontrei a liberdade na falta de esperança"
O primeiro personagem que aparece na historia é Robert Paulson, um homem que sofre de câncer no Testículo e ao usar progesterona, hormônio feminino seus peitos cresceram absurdamente, ele é espelho do protagonista... Um total fracassado na vida que busca no consumismo uma válvula de escape e uma forma de se preencher.
A segunda personagem é Marla Singer que logo de inicio nos é citado o nome parecendo ser um risco para o protagonista e sim, ele é o total oposto do certinho “herói”, isso pode ser visto na travessia da rua, ela nunca se preocupa e nunca é atropelada e ele sempre empaca no inicio da rua.
“Ilusão de Segurança”
Até que Tyler Durden nos é apresentado e todo o filme muda após isso, o nosso ‘herói” esta sofrendo uma crise de identidade e insônia, por conta das viagens e em uma delas Durden aparece zombando dos cartazes apáticos dos avisos de segurança do avião, mas na verdade isso é destinado ao nosso protagonista que não tem nenhuma expressão.
Tyler se diferencia em tudo, a maneira de falar, mas algo interessante de se falar nesse inicio é a Maleta. Pois assim discretamente nos mostra como os dois são o mesmo por fora porem completamente diferentes por dentro, já que uma leva relatórios e a outra, sabonetes.
“Minha vida estava quase completa e eu perdi tudo”
A partir daí a vida do protagonista se transforma por completo, sua casa é explodida e ele não tem mais nada e solta esta celebre frase, “Eu estava quase completo...” e Tyler sempre comenta “ O que você tem acaba te consumindo”, como agora ele não tem mais ele pode viver a vida como nunca sonhou, mas sempre quis, as amarras da sociedade agora estavam soltas.
O roteiro de Jim Uhls nos mostra perfeitamente a evolução do personagem, as olheiras dão lugar à manchas vermelhas de sangue e até mesmo as roupas brancas começam a ser sujas de sangue, mostrando que a vida do personagem esta mudada, outro detalhe vai para a cena em que ele toma coragem e para o ônibus entrando na frente dele para salvar Marla, isso mostra que aquele tímido rapaz se tornou corajoso o suficiente para enfrentar seus medos.
“Seu café da manhã terá um sabor, que jamais conheceremos"
É criado o clube da luta, mas conforme o filme se desenrola os personagens se afastam e a cena que mostra perfeitamente isso é a ameaça do caixa da loja de conveniência, Tyler e nosso protagonista discutem e a partir daí cada um segue seu rumo, até a descoberta e mais a seguir o embate final.
E então o que acharam da ideia? Gostaram? Deixem sugestões e criticas nos comentários e claro recomendem personagens para discutirmos sobre, vamos aprender mais sobre cinema.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Comentário(s)
2 Comentário(s)

2 comentários:

  1. Tyler é mais profundo do que a gente pensa.
    No inconsciente do protagonista, vem nos mostrar que todos temos dois lados. A sacada dessa história é genial, ainda mais quando você que esta assistindo tem a sensação de que há algo errado no sistema, no mundo, no consumo, em consumir e ser consumido.

    Livre Leve Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gisela! Sim o Tyler é absurdamente profundo e isso me fascina muito, por isso tenho esse como meu filme favorito, muito obrigado pela sua participação nos posts!

      Excluir