quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Resenha-O Dia Do Curinga

Lhes trago novamente uma resenha e hoje é sobre O Dia Do Curinga livro que contem grandes doses de filosofia para refletirmos! 



Ficha Técnica:
Autor: Jostein Gaarder
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 382
ISBN: 857164540X
Nota: 7










Jostein Gaarder é um escritor renomado e ganhou destaque com sua obra “O mundo de Sofia”. No entanto, seu talento não se restringe a esse romance, ele também escreveu “O dia do curinga” é um livro intrigante, que desperta sentimentos, questionamentos que nos fazem refletir, sempre estão presentes nas obras de Gaarder: doses de filosofia, metafísica e aventuras.





Sinopse: "Você já pensou que num baralho existem muitas cartas de copas e de ouros, outras tantas de espadas e de paus, mas que existe apenas um curinga?", pergunta à sua mãe certa vez a jovem protagonista de O mundo de Sofia."

Esse é o ponto de partida deste outro livro de Jostein Gaarder, a história de um garoto chamado Hans-Thomas e seu pai, que cruzam a Europa, da Noruega à Grécia, à procura da mulher que os deixou oito anos antes. No meio da viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem de Hans-Thomas numa autêntica iniciação à busca do conhecimento - ou à filosofia.






A jornada não é nada fácil, é complexa, repleta de subjetividades e descobertas. O pano de fundo é o baralho, em uma metáfora que se funde com a história de Hans-Thomas e de seu pai. O livro é dividido em 52 capítulos e cada um deles representa um número e um naipe. Seu pai, por sua vez, é colecionador de curingas, figura intrigante em um conjunto de cartas que se conjugam.



Outra característica marcante de “O mundo de Sofia” e que se repete nesta obra é o livro dentro do livro - a história dentro da história. Jostein Gaarder estrutura de forma peculiar suas obras, colocando histórias paralelas que se interligam em pontos específicos, deixando a obra ainda mais intrigante.  A narrativa dentro da narrativa surge quando o jovem Hans-Thomas ganha um pequeno livro de um padeiro e, algo aparentemente sem relação com sua jornada, se torna todo o sentido e justificativa dela.


O pai de Hans-Thomas, nos diálogos que estabelece com seu filho, demonstra que se trata de um filósofo por natureza: um curinga que não se contenta em viver a vida sem entendê-la, sem analisá-la e sem tentar tirar o melhor dela.

O livro utiliza a clássica frase de Sócrates “Sei que nada sei” para fazermos inúmeras reflexões que podem ser feitas após a leitura. Quem somos? Da onde viemos? Você acredita no destino? ou acaso?





Em discussões e lições, Hans-Thomas aprende sobre o mundo, sobre os seres humanos, sobre a vida e sobre si mesmo. Uma viagem inesquecível para quem se sente uma carta fora do baralho. Mas nem tudo são flores, apesar de diversas qualidades o livro proporciona uma leitura um pouco cansativa, então por isso terá nota 7 mas vale muito a pena ler para quem curte filosofia e aventuras fantásticas.



“Quem quer entender o destino, tem de sobreviver a ele” 


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Comentário(s)
8 Comentário(s)

8 comentários:

  1. Sinceramente não é um assunto que tenho experiência de leitura, então não posso dizer se gosto ou não, mas me parece ser um daqueles livros que nos fazem refletir, estimula nosso senso crítico e estamos precisando mais ser críticos.

    Até mais!
    O Outro Lado da Raposa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é exatamente assim diversas vezes ele aborda assuntos para refletirmos e desenvolvermos nosso senso crítico. Não é o tipo de livro que costumo ler também mas achei bem interessante :)

      Excluir
  2. Como prometido, te segui e curti sua página! Dá uma passadinha lá no meu? Beijos!

    Blog Conteúdo Feminino

    ResponderExcluir
  3. Oiee,
    Eu tenho o Mundo de Sophia, mas ainda não tive tempo para ler.
    Mas sei que o livro aborda a filosofia, só que de uma maneira diferente, visando atrair outros públicos e me pareceu que O dia do Coringa segue essa mesma linha, né?
    Fiquei curiosa, não havia ouvido falar dele ainda e se eu curtir o mundo de Sofia ele será uma das minhas próximas compras.
    Beijos ♫ Conversas de Alcova ♫

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, sim esses dois livros seguem a mesma linha (uma história dentro de uma história também) de uma maneira diferente tentado mostrar sobre a filosofia de um modo que todos entendam.

      Excluir
  4. Gostei muito da resenha , era um livro que eu desconhecia. Parabéns pelo blog! Depois dá uma conferida no meu :) abraços

    ResponderExcluir